http://farm9.staticflickr.com/8121/8656013157_e45c9229ab_o.pnghttp://automobilismoemfoco.com.br/wp-content/midia/loja-de-rolamentos-novo-hamburgo.gifhttps://c1.staticflickr.com/1/319/32630170275_2dfd0d1bae_o.png

Stock Car: Corridas movimentadas e vitórias de Lucas Foresti e Max Wilson em Curitiba

Marcos Gomes consegue se recuperar e marca bons pontos na corrida 2, ao passo que Cacá Bueno amarga prejuízo, mas se mantém em segundo no campeonato

Em um domingo cinza em que boa parte do grid lembrava em seus carros e capacetes a campanha Outubro Rosa, por exames preventivos e diagnóstico precoce de câncer de mama, e divulgada nacionalmente, as duas corridas da décima etapa do Circuito Schin Stock Car em Curitiba foram vencidas por carros amarelos. Lucas Foresti, da AMG Motorsport, e Max Wilson, da Eurofarma-RC, foram os dois vencedores do final de semana em duas corridas movimentadíssimas.

Quem saiu de Curitiba no lucro foi o líder do campeonato, Marcos Gomes. O piloto da Voxx Racing, que largou da pole position, foi acertado ainda antes da primeira curva e ficou de fora da bateria. Recolheu o carro aos boxes para que a equipe fizesse os reparos, e voltou no final para poder alinhar no grid da segunda. Era uma grande oportunidade para Cacá Bueno, mas o pentacampeão da Red Bull também sofreu com percalços e completou apenas em 13º.

Festa de Foresti (Duda Bairros/Vicar)

Festa de Foresti (Duda Bairros/Vicar)


Na segunda bateria, no entanto, uma inversão. Bueno sofreu outro revés e teve de abandonar a corrida, enquanto Gomes subia de posições e terminava em quarto lugar. Assim, a diferença que era de 24 pontos subiu para 27: 220 a 183 em favor de Gomes.

“A cada dia o automobilismo me surpreende mais”, aprendeu Marcos. “Fiz uma péssima largada, ficou aquela confusão, aquele strike todo e o carro ficou bem avariado. Nos boxes a equipe fez um trabalho incrível ao trocar um canto inteiro do carro, voltei à primeira bateria com o volante desalinhado e decidimos largar assim. Deu certo e tudo que tive de azar na primeira prova virou sorte na segunda. Teve outro strike na minha frente, passei raspando. Botaram bastante olho gordo na gente, mas o nosso santo está forte. Mesmo com o carro torto eu consegui acompanhar o pessoal, eu tinha bastante botões de ultrapassagem e no final alguns carros ainda tiveram problema de falta de combustível. Aumentamos em mais três pontos a diferença para o Cacá, então foi perfeito”, resumiu.

As corridas

Gomes, de fato, largou mal na primeira bateria, mas quem largou muito bem foi Átila Abreu, que saltou da quarta para a primeira posição, seguido de Thiago Camilo, Allam Khodair e Lucas Foresti. O drama da parte inicial da corrida passou a ser a sinalização para o carro de Átila para que fosse aos boxes verificar as luzes de freio, que não acendiam (pelo regulamento, as luzes de freio devem funcionar normalmente).

O piloto do carro #51 tentou esperar a abertura da janela de pit stops, que acontecia somente na 20ª volta. Mas como o primeiro aviso veio no 16º giro, ele foi desclassificado com a bandeira preta, pois o aviso deveria ter sido cumprido em no máximo três voltas. Restava à AMG buscar a vitória então com o carro #12, de Lucas Foresti.

Em terceiro, acossado por Ricardo Maurício, o trunfo passava a ser a estratégia. Enquanto todos paravam para abastecer e trocar o pneu traseiro esquerdo – ou os dois do mesmo lado -, a opção da AMG Motorsport foi a mais rápida possível: trocar o pneu traseiro direito, do mesmo lado onde era feito o abastecimento. Assim, Foresti conseguiu sair à frente de Khodair nos boxes e voltar à pista em primeiro lugar, de onde não saiu mais até a bandeirada final.

“Meu trabalho mesmo era priorizar a primeira corrida. O que viesse na segunda seria lucro”, apontou Lucas, que venceu pela primeira vez na principal categoria do automobilismo brasileiro. “A equipe fez um trabalho tão bom no pit stop, com uma estratégia tão correta, que deu certo. Trabalhamos bastante para isso, ousamos. Foi um alívio gigantesco. Minha primeira vitória, a primeira da equipe nesse ano… Foi muito bom. Significou muito para a equipe, que está de parabéns”, contou o brasiliense que corre pela equipe sediada em Americana (SP).

Allam Khodair, em segundo, e Ricardo Maurício em terceiro subiram ao pódio da bateria, enquanto Luciano Burti, Vitor Genz, Thiago Camilo, Rafael Suzuki, Gabriel Casagrande, Tuka Rocha e Denis Navarro fecharam os dez primeiros que largaram em ordem invertida para a segunda corrida.

A largada, mais uma vez, teve um toque de confusão. Rafael Suzuki chegou a apontar para a primeira curva ocupando a liderança, mas o piloto da RZ Motorsports não conseguiu fazer o contorno e passou reto, assim como outros que vinham atrás. No retorno à pista, o carro de Cacá Bueno foi atingido, assim como o de Valdeno Brito e Bia Figueiredo, causando o final da corrida para eles.

A liderança passava para as mãos de Khodair, mas a preocupação tanto dele como de seu companheiro de equipe Rubens Barrichello, em quarto àquela altura, era economizar combustível. Max Wilson, que havia largado dos boxes na primeira prova por causa de um problema na direção hidráulica, aparecia em segundo e atacava o piloto da Full Time e tomou a liderança.

Bandeirada para Max Wilson (Fábio Davini/Vicar)

Bandeirada para Max Wilson (Fábio Davini/Vicar)


Ricardo Maurício fez o mesmo passando Thiago Camilo e também Khodair. Os carros da Voxx Racing, com Marcos Gomes e Felipe Fraga, se aproximavam do bolo da frente e se aproveitaram da falta de combustível dos dois carros da Full Time – Barrichello ainda deu sorte e conseguiu cruzar a linha de chegada em sexto, ao passo que Khodair concluiu apenas em 22º.

Na bandeirada, dobradinha da equipe de Rosinei Campos, que dominou o pódio: em terceiro com a Ipiranga-RCM, também de Campos, Thiago Camilo somou 27 pontos e subiu à terceira posição no campeonato.

Com contratos renovados, Max Wilson e Ricardo Maurício foram os primeiros a receber a bandeirada quadriculada e comemoraram juntos na chegada ao pódio. Foi a segunda vitória de Wilson, campeão de 2010, no ano.

“Larguei dos boxes e vi que na primeira largada alguns pilotos ficaram de fora. Meu carro estava muito bom: eu estava em décimo na penúltima volta (que lhe colocaria na pole para a segunda prova) e na final o Denis me passou e tive que largar em 11º”, lembrou o vencedor.

“A segunda corrida foi muito boa para mim, mas foi uma daquelas largadas que não achei das mais justas. Alguns pilotos foram em um embalo muito forte e tivemos acidentes nas duas provas. Da minha parte eu fiquei marcando o Khodair, tentando atacar, me defendendo do Thiago. Acho que o Khodair não esperava, e o passei na reta oposta. Passei, apertei o ritmo para manter distância boa e no final tanto eu como o Ricardo tiramos o pé para economizar combustível e chegamos nessa dobradinha mais uma vez”, afirmou.

A próxima – e penúltima – etapa do Circuito Schin Stock Car acontece no dia 8 de novembro no veloz circuito de Tarumã, na cidade de Viamão, na região metropolitana de Porto Alegre (RS).

CORRIDA 1
(Resultados sujeitos a verificações técnicas e desportivas)
1-) 12 Lucas Foresti (AMG Motorsport) – 34 voltas em 49min38s767 (média de 151,8 km/h)
2-) 100 Allam Khodair (Full Time Sports) – a 1s175
3-) 90 Ricardo Mauricio (Eurofarma RC) – a 9s521
4-) 14 Luciano Burti (RZ Motorsport) – a 9s974
5-) 46 Vitor Genz (Boettger Competições) – a 13s545
6-) 21 Thiago Camilo (Ipiranga-RCM) – a 14s763
7-) 8 Rafael Suzuki (RZ Motorsport) – a 16s192
8-) 83 Gabriel Casagrande (Axalta C2 Team) – a 17s988
9-) 25 Tuka Rocha (União Química Racing) – a 27s304
10-) 5 Denis Navarro (Vogel Motorsport ) – a 30s270
11-) 65 Max Wilson (Eurofarma RC) – a 31s595
12-) 111 Rubens Barrichello (Full Time Sports) – a 33s362
13-) 0 Cacá Bueno (Red Bull Racing) – a 34s854
14-) 73 Sergio Jimenez (Axalta C2 Team) – a 34s861
15-) 4 Julio Campos (Prati-donaduzzi) – a 37s520
16-) 26 Raphael Abbate (Hot Car Competições) – a 39s191
17-) 110 Felipe Lapenna (Schin Racing Team) – a 45s914
18-) 1 Antonio Pizzonia (Prati-donaduzzi) – a 48s257
19-) 66 Felipe Guimarães (Boettger Competições) – a 49s126
20-) 11 Cesar Ramos (Total Racing) – a 50s452
21-) 77 Valdeno Brito (Shell Racing) – a 50s929
22-) 9 Gustavo Lima (ProGP) – a 1min00s806
23-) 16 Mauro Giallombardo (Hot Car Competições) – a 3 voltas
24-) 29 Daniel Serra (Red Bull Racing) – a 6 voltas
25-) 2 Raphael Matos (Schin Racing Team) – a 6 voltas
NÃO COMPLETARAM 75%
26-) 74 Popó Bueno (Total Racing) – a 15 voltas
27-) 3 Bia Figueiredo (União Química Racing) – a 15 voltas
28-) 28 Galid Osman (Ipiranga-RCM) – a 23 voltas
29-) 88 Felipe Fraga (Voxx Racing Team) – a 23 voltas
30-) 70 Diego Nunes (Vogel Motorsport) – a 28 voltas
31-) 80 Marcos Gomes (Voxx Racing Team) – a 30 voltas
32-) 10 Ricardo Zonta (Shell Racing) – a 31 voltas
33-) 51 Átila Abreu (AMG Motorsport) – desclassificado*
Melhor volta: Lucas Foresti, 1min19s818 (166,7 km/h)
*Excluído do resultado por desrespeito à sinalização

CORRIDA 2
(Resultados sujeitos a verificações técnicas e desportivas)
1-) 65 Max Wilson (Eurofarma RC) – 20 voltas em 29min06s966 (média de 152,3 km/h)
2-) 90 Ricardo Mauricio (Eurofarma RC) – a 3s842
3-) 21 Thiago Camilo (Ipiranga-RCM) – a 4s292
4-) 80 Marcos Gomes (Voxx Racing Team) – a 6s297
5-) 88 Felipe Fraga (Voxx Racing Team) – a 6s594
6-) 111 Rubens Barrichello (Full Time Sports) – a 9s652
7-) 1 Antonio Pizzonia (Prati-donaduzzi) – a 11s426
8-) 4 Julio Campos (Prati-donaduzzi) – a 11s869
9 -)10 Ricardo Zonta (Shell Racing) – a 16s673
10 -)73 Sergio Jimenez (Axalta C2 Team) – a 18s171
11-) 51 Átila Abreu (AMG Motorsport) – a 19s797
12-) 11 Cesar Ramos (Total Racing) – a 21s108
13-) 28 Galid Osman (Ipiranga-RCM) – a 21s915
14-) 70 Diego Nunes (Vogel Motorspor) – a 22s564
15-) 66 Felipe Guimarães (Boettger Competições) – a 22s937
16-) 74 Popó Bueno (Total Racing) – a 23s372
17-) 8 Rafael Suzuki (RZ Motorsport) – a 42s116
18-) 12 Lucas Foresti (AMG Motorsport) – a 45s329
19-) 25 Tuka Rocha (União Química Racing) – a 46s690
20-) 46 Vitor Genz (Boettger Competições) – a 47s121
21-) 14 Luciano Burti (RZ Motorsport) – a 1 voltas
22-) 100 Allam Khodair (Full Time Sports) – a 2 voltas
23-) 5 Denis Navarro (Vogel Motorsport) – a 4 voltas
NÃO COMPLETARAM 75%
24-) 9 Gustavo Lima (ProGP) – a 9 voltas
25-) 83 Gabriel Casagrande (Axalta C2 Team) – a 15 voltas
26-) 110 Felipe Lapenna (Schin Racing Team) – a 16 voltas
27-) 0 Cacá Bueno (Red Bull Racing) – a 16 voltas
28-) 2 Raphael Matos (Schin Racing Team) – a 18 voltas
29-) 26 Raphael Abbate (Hot Car Competições) – a 19 voltas
30-) 77 Valdeno Brito (Shell Racing) – a 19 voltas
31-) 16 Mauro Giallombardo (Hot Car Competições) – a 19 voltas
32-) 29 Daniel Serra (Red Bull Racing) – a 19 voltas
33-) 3 Bia Figueiredo (União Química Racing) – a 19 voltas
Melhor volta: Felipe Fraga, 1min19s916 (166,4 km/h)

Classificação do Campeonato após dez etapas:
1-) Marcos Gomes – 220 pontos
2-) Cacá Bueno – 183
3-) Thiago Camilo – 165
4-) Max Wilson – 161
5-) Allam Khodair – 160
6-) Rubens Barrichello – 160
7-) Ricardo Maurício – 159
8-) Daniel Serra – 156
9-) Julio Campos – 146
10-) Valdeno Brito – 120
11-) Sérgio Jimenez – 105
12-) Felipe Fraga – 103
13-) Ricardo Zonta – 99
14-) Átila Abreu – 93
15-) Diego Nunes – 91
16-) Vitor Genz – 76
17-) Antonio Pizzonia – 76
18-) Gabriel Casagrande – 66
19-) Luciano Burti – 64
20-) Galid Osman – 64
21-) Lucas Foresti – 53
22-) Tuka Rocha – 53
23-) Rafael Suzuki – 51
24-) Rapha Matos – 50
25-) Denis Navarro – 49
26-) Cesar Ramos – 35
27-) Felipe Lapenna – 33
28-) Popó Bueno – 29
29-) Raphael Abbate – 24
30-) Bia Figueiredo – 7
31-) Gustavo Lima – 5
32-) Fábio Fogaça – 3
33-) Felipe Guimarães – 2
34-) Mauro Giallombardo (ARG) – 0

O Circuito Schin Stock Car tem organização e realização da Vicar Promoções Desportivas, com supervisão da Confederação Brasileira de Automobilismo (CBA). O patrocínio máster é da Schin. Patrocínio Petrobras e Pirelli. Copatrocínio Cielo. Apoio Pioneer e Transzero. As montadoras são Chevrolet e Peugeot.

É proibida a venda e o consumo de bebidas alcoólicas por menores de 18 anos nas dependências do autódromo. É proibida a entrada de menores de cinco anos no evento. Menores de 5 a 14 anos devem estar acompanhados de responsáveis legais (parentes de primeiro grau) e portando documento original. Não será permitida a entrada sem documento original (RG, CNH ou certidão de nascimento).

Dep. de Comunicação Vicar
Foto: Fernanda Freixosa/Vicar


616 dias ago by in Automobilismo , Notícias | You can follow any responses to this entry through the RSS feed. You can leave a response, or trackback from your own site.