http://farm9.staticflickr.com/8121/8656013157_e45c9229ab_o.pnghttp://automobilismoemfoco.com.br/wp-content/midia/loja-de-rolamentos-novo-hamburgo.gifhttps://c1.staticflickr.com/1/319/32630170275_2dfd0d1bae_o.png

Rafael Bertagnolli leva “esquema caseiro” à liderança do Moto 1000 GP

Líder da GP 600 depois de vencer em sua quarta corrida na motovelocidade, gaúcho busca patrocínio para completar temporada

Quando viabilizou sua ida a São Paulo para disputar a primeira etapa do Moto 1000 GP, em junho, o gaúcho Rafael Bertagnolli poderia imaginar qualquer coisa, menos que retornaria dias depois a Santa Maria, sua cidade, como líder do campeonato. A vitória e o primeiro lugar na tabela de pontuação da categoria GP 600 surpreenderam o piloto da Bertagnolli Racing, que admite a reflexão constante sobre as chances de ser campeão.

“Foi só a minha quarta corrida na motovelocidade, eu nunca tinha ido a Interlagos”, conta o líder da GP 600, que no ano passado disputou três corridas do Campeonato Gaúcho nos autódromos de Guaporé e Santa Cruz do Sul. “A gente foi a São Paulo num esquema bem caseiro, minha moto não tem grande coisa, é bem originalzinha. Não esperava ganhar, só tinha bem definida a meta de andar bem, de fazer uma boa prova. Nem acreditei”, contou.

Bertagnolli não se vê como favorito a repetir a vitória na segunda etapa da GP 600, confirmada para dia 19 de agosto no Autódromo Internacional de Curitiba. “Além de não conhecer a pista, o que sempre atrapalha, a reta é muito extensa, isso não me ajuda em nada, porque minha moto tem menos potência que as demais, ela é praticamente original. Isso dificulta um pouco o trabalho de conseguir um acerto seguro para ser rápido”, pondera o gaúcho.

Apesar da liderança, Rafael Bertagnolli não tem participação garantida em toda a temporada do Moto 1000 GP. “Os apoios que eu consegui até agora são suficientes para mais duas etapas. Depois disso, não sei, mas vou correr atrás”, comenta o gaúcho, que compete com patrocínio de Bramoto-Honda, Vitória Transporte de Grãos e Inducal. “O título é um grande sonho, não sei se está ao meu alcance, porque a categoria tem muitos pilotos ótimos”, pondera.

Depois da etapa de Curitiba, o Moto 1000 GP levará suas disputas aos autódromos de Santa Cruz do Sul (RS), Brasília (DF), Cascavel (PR) e Rio de Janeiro (RJ). As corridas são transmitidas pela Record News e pela Record Internacional, além da exibição, com áudio e vídeo, no site da competição. Em 2012, o Moto 1000 GP tem patrocínio de Petrobras, Lubrax, BMW Motorrad e Michelin, com apoios de Beta, Shoei, Bell, Servitec, Tutto Moto e Ohlins.

Texto: Grelak Comunicação – (45) 3037-6667
Imagens: Vanderley Soares


1889 dias ago by in Motociclismo , Notícias | You can follow any responses to this entry through the RSS feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Leave A Response