http://farm9.staticflickr.com/8121/8656013157_e45c9229ab_o.pnghttp://automobilismoemfoco.com.br/wp-content/midia/loja-de-rolamentos-novo-hamburgo.gifhttps://c1.staticflickr.com/1/319/32630170275_2dfd0d1bae_o.png

MotoGP: Rossi vence em Termas de Rio Hondo

Experiência de Rossi supera juventude de Márquez na Argentina

Em uma síntese do que é a Motovelocidade, o MotoGP proporcionou no último domingo, um show de estratégia e arrojo para o mundo na Argentina. Uma vez por ano, termas de Rio Hondo, distante 1.000km da capital Argentina, multiplica sua população recebendo uma legião de fãs apaixonados por moto e pelo esporte. O sol permanecia tímido, escondido pelas nuvens, no momento da largada o clima de incerteza nas escolhas dos pneus acabou se tornando questão principal para a corrida.

Cobertos até o último segundo, os pneus foram guardados a sete chaves pelas equipes. Máquinas alinhadas e o silêncio interrompido pelo hino nacional argentino, impossível não pensar se um dia teremos o hino brasileiro, com Rossi e Márquez como plano de fundo. Ao fim do hino ainda sob o silêncio, a BMW M4 preta fosca rasga a reta e agora é o show, serão 25 voltas de uma corrida memorável que guardava a surpresa para o fim. Na largada, o espanhol Aleix Espargaró salta com sua Suzuki à frente da Honda de Marc Márquez, contornando a curva 1 em primeiro lugar, seguidos por Cal Crutchlow e Jorge Lorenzo na sequência como 3. E 4. respectivamente. O Italiano Valentino Rossi completa primeira volta se mantendo em oitavo e a briga de Márquez com Espargaró dura apenas uma volta, quando já notamos Márquez abrindo na ponta.
11157228_782593591837354_1305908185_o
O espanhol abre 3 segundos de diferença logo nas primeiras voltas. Com a estratégia baseada nos pneus duros, pensando em aproveitar o maior Grip e abrir ganhar a maior vantagem possível no início da corrida e administrar até o final, só que ele esqueceu de combinar com o Doutor ( Valentino Rossi), que havia largado com pneus extra-duros optando por durabilidade em detrimento de um maior Grip no início da corrida. O show das disputas durante a corrida ficou mais a cargo das Ducati e Yamaha, seguidos pela Suzuki de Espargaró. Já com cinco voltas, podíamos notar as estratégias diferentes. O pelotão liderado por Cal Crutchlow e seguido por Andrea Dovizioso e Andrea Ianonne e as Yamahas de Lorenzo e Rossi que mantinham um ritmo forte e constante. Na sexta volta Valentino já inicia seu plano, ultrapassando seu companheiro de equipe Jorge Lorenzo, também de Yamaha e partindo para cima das Ducatti. Exatamente nesse momento, o único sul americano na corrida, o Colombiano
Yonny Hernandez, tem sua Ducatti incendiada.

A corrida segue com Márquez abrindo cada vez mais. As Ducatti de Dovisiozo e Ianonne tentam fugir de Rossi, sem sucesso. Lorenzo já está apartado do pelotão, andando sozinho em sexto. Sensação desse ano, é notório o poder das Ducatti nas retas, mas na sexta volta já havíamos o diapasão entre as Ducatti. Era Rossi, constante e calmo, atacando as Ducatti com prudência e sabedoria… sempre nas curvas e, em um erro de Crutchlow, o Doctor o ultrapassa magistralmente por fora e já gruda em Dovisiozo em uma mesma manobra. Rossi mantinha o ritmo, mas a distância de Márquez ainda aumentava e já batia na casa dos 4 segundos. Porém, exatamente na metade da corrida, nota-se a primeira parcial apontando uma diminuição da diferença entre a Honda de Márquez e a Yamaha de Rossi. Na volta 14, O italiano tira 0,5 segundos de diferença e ficam evidentes as escolhas antagônicas de estratégia com base nos pneus: Rossi andando nos trilhos, com a moto mais estável e constante, por sua vez Márquez segue mais agressivo escorregando bonito nas curvas mas lutando para conseguir tirar o desempenho dos pneus duros, que a essa altura já estavam deixando-o na mão, por mais que se esforçasse, o gap entre ele e Valentino insistia em diminuir.
11159282_782593685170678_1262646990_o
Faltando quatro voltas para o final, Rossi arma o ataque e a TV mostra a equipe Honda muito preocupada, medindo a temperatura do asfalto. A 22ª volta é formalmente quando Rossi desembainha a espada do duelo começa. O duelo segue bonito por duas voltas, na volta 24 os dois rasgam bonito na reta, juntos, e Rossi retarda a freada forçando Márquez a frear no limite, contornam a curva 1 com linhas bem distintas e Rossi ultrapassa-o na curva dois, tomando o X logo em seguida, mas permanecendo ambos como se fossem uma moto só.
11158917_782593798504000_1621802184_o
Na penúltima volta Marques bandoleia, tentando segurar a Honda com os pneus já gastos e Rossi bem mais estável, com a moto bem afinada, fazendo jus ao diapasão que ostenta no tanque, contorna por dentro e ultrapassa Márquez recebendo uma trombada do espanhol na saída da curva e logo em seguida vemos toda a diferença de idade entre eles refletida na falta de maturidade: Márquez deixa seu pneu dianteiro na linha de Valentino e choca seu pneu dianteiro no traseiro do italiano, levando a pior. Mais uma vez, vítima de sua própria imaturidade, Márquez retorna ao box pela porta dos fundos de carona em uma scooter de 50cc. Show de Valentino para a torcida na Argentina, vencendo a corrida e liderando o campeonato.

Texto: Automobilsmo em Foco (Gioavani Chiossi)
Fotos: Andre Cobalchini Chacal


914 dias ago by in Motociclismo , Notícias | You can follow any responses to this entry through the RSS feed. You can leave a response, or trackback from your own site.