http://farm9.staticflickr.com/8121/8656013157_e45c9229ab_o.pnghttp://automobilismoemfoco.com.br/wp-content/midia/loja-de-rolamentos-novo-hamburgo.gifhttps://c1.staticflickr.com/1/319/32630170275_2dfd0d1bae_o.png

Disputa pela liderança do Moto 1000 GP envolve três brasileiros e três estrangeiros

Pilotos preparam-se para sexta etapa em Santa Cruz do Sul visando reduzir da vantagem do argentino Ribodino, campeão de 2012

Colocando em disputa o Campeonato Brasileiro de Motovelocidade de 2013, o Moto 1000 GP terá neste domingo (20) as corridas da sexta de suas oito etapas. O evento no Autódromo Internacional de Santa Cruz do Sul (RS) vai determinar, nas cinco categorias em disputa, a relação dos pilotos que vão disputar os títulos. É a terceira vez que a cidade recebe o Moto 1000 GP, tendo figurado nos calendários de corridas de 2011 e 2012.
30c6e921981b413ec57e517d1ecd3345
A GP 1000, categoria principal do Brasileiro de Motovelocidade, destaca em sua tabela de classificação os efeitos da internacionalização intensificada no ano passado. As seis primeiras posições são ocupadas por pilotos de três países. Neste grupo, três competidores brasileiros apresentam-se motivados para a disputa pelo título que foi de Alan Douglas, da Pitico Race, em 2011 e de Luciano Ribodino, da Alex Barros Racing, em 2012.

É o próprio Ribodino quem comanda a tabela de classificação depois de cinco das oito etapas. A primeira metade do campeonato foi marcada por duas vitórias e dois segundos lugares do argentino. Na quinta etapa, em setembro, foi quinto colocado, resultado que o elevou a 93 pontos. Com 31 de vantagem, “Lucho”, piloto da província de Córdoba, assegura a manutenção da liderança com qualquer resultado na corrida em Santa Cruz do Sul.

O argentino da Alex Barros Racing, contudo, reconhece a necessidade de manter a média das primeiras etapas, dada a disposição demonstrada por seus adversários para reverterem a matemática da disputa pelo título nas três etapas decisivas. Dois brasileiros, ambos da cidade paranaense de Londrina, são seus adversários mais próximos na tabela – Diego Faustino e Wesley Gutierrez, que somam 62 e 61 pontos, respectivamente.
14d0558a7cfecf1076c0664cc8165006
Para Faustino, que defende a Petronas Eurobike SBK Team pilotando uma BMW S1000RR – mesmo modelo utilizado pelo líder Ribodino, – a etapa em Santa Cruz do Sul resgata um retrospecto significativo. Foi no circuito de 3.530 metros da cidade gaúcha que ele obteve suas duas primeiras vitórias no Moto 1000 GP, na rodada dupla de 2011, ano em que foi vice-campeão tendo registrado ainda quatro segundos e três terceiros lugares.

Faustino abriu o campeonato atual com o terceiro lugar em Interlagos e foi quarto em Pinhais. Sem pontuar na volta da categoria a Interlagos, reagiu com a vitória em Cascavel. A quinta etapa, no autódromo paulista, foi oitavo. Enquanto isso, Gutierrez, com a Kawasaki ZX10-R da Motonil Motors, subia ao pódio em terceiro, mesmo resultado da passagem anterior da GP 1000 por São Paulo – ele já havia ido ao pódio em Curitiba, em segundo lugar.

O português Miguel Praia, que estreia no Moto 1000 GP com a Honda CBR 1000R da Center Moto Racing Team, conquistou na corrida de setembro seu primeiro pódio, em segundo. Assim, subiu para quarto na classificação do campeonato, com 53 pontos. Está dois à frente de Danilo Lewis. O paulista, piloto da Kawasaki da RC3 Brasil-PRT, mostra-se otimista quanto à chance de vencer pela primeira vez – tem dois terceiros lugares em 2013.

O grupo dos seis primeiros na GP 1000 é composto por outro argentino. Diego Pierluigi, que venceu a etapa de 2012 em Santa Cruz do Sul pelo Team Spolier, estreou na temporada atual já em sua terceira etapa. Foi segundo em Interlagos, décimo em Cascavel – onde teve problemas mecânicos – e venceu a corrida do mês passado em Interlagos, com a Kawasaki da JC Racing Team. Bem cotado a novas vitórias, aparece em sexto com 49 pontos.

As motocicletas do Moto 1000 GP utilizam como combustível a gasolina Petrobras Podium e, como óleo lubrificante, o Lubrax Tecno Moto. Petrobras e Lubrax patrocinam a competição ao lado da BMW Motorrad e da Michelin, que fornece pneus de competição às equipes. O Brasileiro de Motovelocidade tem o apoio de Beta Ferramentas, BMW Serviços Financeiros, Servitec, LeoVince, Shoei, Tutto Moto, HPN, Denko, Airfence Brasil e Peterlongo.

Texto: Grelak Comuncação
Fotos: Sanderson


1521 dias ago by in Motociclismo , Notícias | You can follow any responses to this entry through the RSS feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Leave A Response