http://farm9.staticflickr.com/8121/8656013157_e45c9229ab_o.pnghttp://automobilismoemfoco.com.br/wp-content/midia/loja-de-rolamentos-novo-hamburgo.gifhttps://c1.staticflickr.com/1/319/32630170275_2dfd0d1bae_o.png

Com primeira vitória na F-Truck, régis Boessio é líder do Sul-Americano

Ultrapassagem na penúltima volta do GP Aurélio Batista Félix leva piloto gaúcho ao topo do pódio em Caruaru

Pela segunda vez em 2013, a Fórmula Truck vê um piloto ocupar o degrau mais alto do pódio pela primeira vez. Quem comemorou a vitória inédita neste domingo (19) foi o gaúcho Régis Boessio, que alcançou na penúltima das 23 voltas do GP Aurélio Batista Félix a liderança e a vitória na terceira corrida do ano. O evento reuniu público estimado em cerca de 50.000 pessoas no Autódromo Internacional Ayrton Senna, em Caruaru (PE).

A corrida pernambucana contou pontos pelos dois campeonatos da Fórmula Truck. No Brasileiro, o paulista Paulo Salustiano manteve-se líder com o segundo lugar neste domingo. Foi a 70 pontos, apenas um à frente do vice-líder Boessio, que assumiu a primeira posição na tabela do Sul-Americano, agora com 43 pontos, dois a mais que o adversário paulista. Wellington Cirino, que enfrentou problemas, é terceiro nas duas competições.

Boessio tornou-se o 24º piloto a conquistar uma vitória na Fórmula Truck

Boessio tornou-se o 24º piloto a conquistar uma vitória na Fórmula Truck


Segundo no grid, Boessio perdeu uma posição na largada e só voltou à vice-liderança da corrida após a intervenção programada do Pace Truck, com a parada de Cirino nos boxes. Na penúltima volta, percebendo que o pole e líder Leandro Totti enfrentava dificuldades com a queda de rendimento do caminhão da MAN Latin America, Boessio intensificou sua pressão, assumiu a liderança e tornou-se o 24º piloto a ganhar uma corrida na categoria.

“Superação”, respondeu, quando solicitado a definir a vitória em uma única palavra. “Tive um fim de semana difícil na equipe, no evento. Para mim, a ficha ainda não caiu. Está tudo igual, nada mudou. Daqui a pouco vou me dar conta de que venci uma corrida”, disse. “No fim, eu aumentei o risco na minha pilotagem, passei a acreditar mais. Percebi que o Totti tinha problemas e sabia que tinha de estar perto para aproveitar. Deu certo”, resumiu.

A liderança do Sul-Americano e a vice-liderança do Brasileiro, nos dois casos em duelos equilibrados com Salustiano, não iludem Boessio. “Essa é a primeira vez que começamos o ano lutando pelo títulos, é só o começo, ainda tem muita coisa para acontecer. Acho que os pilotos a serem batidos daqui em diante são os pilotos dos caminhões MAN, que virão muito fortes”, anteviu. “Se quisermos algo em termos de campeonato, teremos de evoluir muito”.

Pódio do GP Aurélio Batista Félix em Caruaru, com Boessio, Salustiano, Totti, Monteiro e Reis

Pódio do GP Aurélio Batista Félix em Caruaru, com Boessio, Salustiano, Totti, Monteiro e Reis


Salustiano, que ultrapassou Totti na linha de chegda, disse-se muito satisfeito. “Foi difícil acertar o caminhão aqui. No fim, fiquei feliz por conseguir ultrapassar. Não pelo problema do Totti, mas por passar. Corrida é assim, isso já aconteceu comigo, hoje foi com ele”, falou o piloto da ABF Racing Team. “Eu tive de administrar bastante a temperatura do motor, já estava tirando o pé (do acelerador) nas retas para refrigerar o motor”, revelou o líder do Brasileiro.

Totti, que em Caruaru conquistou sua quinta pole-position, liderou 21 das 23 voltas da corrida. “Trabalhamos duro durante o fim de semana todo e fomos recompensados, com muitos pontos. Estou feliz”, resumiu. O piloto da MAN Latin America teve problemas após passar sobre uma zebra da pista e ter rompido o reservatório de água do sistema de freios. “No fim, eu freava na linha de chegada para conseguir para no fim da reta”, contou.

Representante pernambucano na Truck, Beto Monteiro foi quarto. “Na verdade, é um resultado que me deixa muito feliz. Eu tive problemas desde os treinos com o catalisador. Corri com medo do catalisador me deixar pelo meio do caminho”, admitiu o piloto da Scuderia Iveco. “No fim comecei a perder potência por causa disso, mas consegui levar até o fim e deu pódio. Fora isso, o caminhão é muito forte, é para disputar vitórias”, avalizou.

O goiano Leandro Reis levou o Scania da Original Reis Competições ao pódio pela segunda vez consecutiva, em quinto. “Para a nossa equipe, um pódio é vitória. Nós temos um problema sério de orçamento, e é lógico que isso dificulta qualquer meta”, admitiu. “Na corrida, eu sabia que estava em quinto e que tinha um lugar no pódio, mas a cabeça era de chegar mais à frente. Todo piloto acha que pode sempre chegar mais à frente”, comentou.

A CORRIDA
Na largada, Wellington Cirino, terceiro colocado no grid, ultrapassou Régis Boessio. Na primeira curva da prova, Adalberto Jardim saiu da pista e, ao voltar, desgovernado, atingiu Alberto Cattucci. Beto Monteiro, oitavo no grid, também fez uma largada produtiva e assumiu o sexto lugar. Roberval Andrade, em sua tentativa de recuperar a posição, envolveu-se num toque com Valmir “Hisgue” Benavides e saiu da pista, caindo para 11º.

Enquanto Andrade procurava os boxes com problemas no Scania do Corinthians, Totti completava a primeira volta com 1s385 de vantagem sobre Cirino. Vantagem que subiu para 2s452 depois de duas voltas e para 3s291 na terceira, quando Jardim, advertido pela direção de prova por conta do incidente na largada, saiu da pista e ficou com seu Volkswagen-MAN parado ao fim da reta oposta – o que ocasionou a entrada do Pace Truck na pista.

A essa altura, Luiz Lopes e Jansen Bueno, que foram desclassificados da tomada de tempos e largaram das últimas posições, já ocupavam a 12ª e a 14ª posição, respectivamente. José Maria Reis, que recebeu a mesma punição, era 19º. As duas voltas percorridas pelos pilotos sob bandeira amarela, atrás do Pace Truck, não foram computadas na cronometragem, seguindo o que determina o regulamento desportivo da Fórmula Truck.

Dada a relargada, com 14 minutos de corrida, Cattucci não conseguiu frear no ponto ideal e, com rodas bloqueadas, saiu da pista no mesmo ponto da pista onde houve o incidente com Jardim. Ao fim da reta oposta, Beto Monteiro recebeu aplausos da torcida com a ultrapassagem sobre Leandro Reis, que lhe valeu a quinta posição na prova. Na sétima volta, com problemas na turbina, o paranaense Jansen Bueno abandonou a prova à beira da pista.

Foi o mesmo instante em que Edu Piano foi convocado aos boxes, por determinação da direção de prova, por excesso de fumaça em seu caminhão Ford. Na abertura da oitava volta, Geraldo Piquet, até então oitavo colocado, estacionou seu Mercedes-Benz fora da pista ao lado da reta dos boxes. Após oito voltas, na intervenção programada do Pace Truck, os cinco primeiros eram Totti, Cirino, Boessio, Paulo Salustiano e Monteiro.

Atribuídos os pontos, Cirino tomou o caminho dos boxes na tentativa de sanar a queda de pressão no turbo. Com pontos de bonificação atribuídos aos cinco primeiros à volta do Pace Truck na pista, a relargada deu-se após mais duas voltas. Logo depois, Débora Rodrigues abandonou, com problemas na turbina. Diogo Pachenki, que largou dos boxes por conta de um problema na polia de seu Mercedes-Benz, assumiu a 11ª posição.

Com o caminhão de Débora estacionado em posição de risco na pista, o Pace Truck pilotado por Talula Pascoli foi acionado pela terceira vez. A essa altura, a equipe de Cirino, já com duas voltas de desvantagem em relação ao líder, providenciava a substituição da turbina de seu caminhão. Sua pretensão era de voltar à pista para, contando com o eventual abandono de mais pilotos, marcar pontos nos campeonatos Brasileiro e Sul-Americano.

A nova relargada marcou a tentativa de ultrapassagem de Boessio sobre Totti, pelo lado de fora da reta dos boxes. No complemento da volta, foi André Marques quem rodou ao fim da reta, saindo da pista – o paulista devolveu seu Volkswagen-MAN à pista logo em seguida. Salustiano, que largou com pneus menos desgastados, aumentava sua pressão sobre Boessio. A diferença entre os três primeiros colocados, após 11 voltas, era de 1s227.

Cirino retornou à pista a três voltas do líder, ocupando a 18º colocação, e precisava de quatro ultrapassagens para figurar na zona de pontuação. Totti, líder com menos de um segundo à frente de Boessio, apresentava vazamento no reservatório de água do sistema de freios. Felipe Giaffone, seu companheiro de equipe e recordista de vitórias em Caruaru, abandonou a corrida na 14ª volta, com problemas no motor de seu caminhão MAN.

O toque entre Cattucci e Rogério Castro, companheiros de equipe na ABF/Volvo, permitiu na 17ª volta que Marques, buscando reabilitação, tomasse a 11ª colocação – passou a ser décimo instantes depois, quando Pachenki, oitavo colocado, estacionou nos boxes com quebra na turbina. Boessio, em segundo, completou a 19ª volta a 0s691 de Totti. A diferença chegou a 0s557 na volta seguinte, quando os dois quase se tocaram ao fim da reta.

Na abertura da penúltima volta, Boessio ameaçou tentar pressionar Totti pela linha externa da pista, ainda na reta, e encontrou espaço por dentro no contorno da primeira curva para fazer a ultrapassagem que lhe deu a liderança. Luiz Lopes, em nono, recebia punição por excesso de velocidade no ponto da pista onde um radar limita o tráfego a 160 km/h. Monteiro, quarto, intensificou a pressão sobre Salustiano na disputa pelo terceiro lugar.

Quando abriu a última volta, Boessio estava 2s495 à frente de Totti. No duelo pelo terceiro lugar, Salustiano e Monteiro tocaram seus caminhões várias vezes, permitindo a aproximação de Reis, que chegou a tirar seu Scania para a grama para evitar uma batida no caminhão do piloto da casa. Na reta final, Salustiano tomou a segunda posição de Totti, que levou seu Volkswagen-MAN ao terceiro lugar. Monteiro e Reis completaram o pódio.

Depois de 23 voltas, o resultado final do GP Aurélio Batista Félix foi o seguinte:

1º) Régis Boessio (RS/Mercedes-Benz), ABF Desenvolvimento Team, 1h01min26s237
2º) Paulo Salustiano (SP/Mercedes-Benz), ABF Racing Team, a 4s610
3º) Leandro Totti (SP/MAN), MAN Latin America Racing Team, a 4s691
4º) Beto Monteiro (PE/Iveco), Scuderia Iveco, a 6s950
5º) Leandro Reis (GO/Scania), Original Reis Competições, a 8s218
6º) Valmir Benavides (SP/Iveco), Scuderia Iveco, a 13s432
7º) Djalma Fogaça (SP/Ford), 72 Sports/Ford Racing Trucks, a 15s180
8º) André Marques (SP/MAN), MAN Latin America Racing Team, a 25s056
9º) José Maria Reis (GO/Scania), Original Reis Competições, a 42s184
10º) João Marcos Maistro (PR/Volvo), Clay Truck Racing, a 42s475
11º) Luiz Lopes (SP/Iveco), Lucar Motorsports, a 1min01s461
12º) Alberto Cattucci (SP/Volvo), ABF/Volvo, a 1 volta
13º) Wellington Cirino (PR/Mercedes-Benz), ABF/Mercedes-Benz, a 3 voltas
14º) Edu Piano (SP/Ford), Território Motorsport, a 5 voltas
15º) Rogério Castro (GO/Volvo), ABF/Volvo, a 6 voltas
NÃO COMPLETARAM
Diogo Pachenki (PR/Mercedes-Benz), ABF Racing Team, a 7 voltas
Felipe Giaffone (SP/MAN), MAN Latin America Racing Team, a 10 voltas
Ronaldo Kastropil (SP/Scania), Ticket Car Corinthians Motorsport, a 10 voltas
Alex Caffi (ITA/Iveco), Dakarmotors, a 11 voltas
Débora Rodrigues (SP/MAN), MAN Latin America Racing Team, a 15 voltas
Geraldo Piquet (DF/Mercedes-Benz), ABF/Mercedes-Benz, a 16 voltas
Jansen Bueno (PR/Volvo), DB Motorsport, a 17 voltas
Adalberto Jardim (SP/MAN), MAN Latin America Racing Team, a 21 voltas
Roberval Andrade (SP/Scania), Ticket Car Corinthians Motorsport, a 22 voltas
Melhor volta: Totti, na 2ª, 1min50s155, média de 103,926 km/h

CLASSIFICAÇÃO
A classificação do Campeonato Brasileiro de Fórmula Truck depois de três corridas é a seguinte: 1º) Salustiano, 70 pontos; 2º) Boessio, 69; 3º) Cirino, 38; 4º) Totti, 35; 5º) L. Reis, 27; 6º) Pachenki e Benavides, 26; 8º) Monteiro, 25; 9º) Piquet, 23; 10º) Marques, 22; 11º) Maistro, 20; 12º) Fogaça, 14; 13º) Cattucci, 10; 14º) Andrade, 8; 15º) Kastropil e J. Reis, 7; 17º) Muffato e Bueno, 6; 19º) Lopes, 4; 20º) Cattucci, 3; 21º) Rodrigues, 2; 22º) Piano, 1.

Pelo Campeonato Sul-Americano, que chegou à metade na corrida em Caruaru, a nova classificação é esta: 1º) Boessio, 43 pontos; 2º) Salustiano, 41; 3º) Cirino, 38; 4º) Totti, 34; 5º) Piquet, 23; 6º) Benavides, 22; 7º) Monteiro, 14; 8º) Maistro, 13; 9º) Fogaça e L. Reis, 12; 11º) Cattucci e Marques, 10; 13º) Pachenki e J. Reis, 6; 15º) Kastropil, 5; 16º) Lopes, 4; 17º) Rodrigues, 2; 18º) Bueno, Monteiro e Piano, 1.

Na disputa pelos títulos de marcas da Fórmula Truck, depois da etapa de Caruaru, a tabela de pontuação do Brasileiro passa a ser a seguinte: 1º) Mercedes-Benz, 171 pontos; 2º) Iveco, 54; 3º) Scania e MAN, 51; 5º) Volvo, 39; 6º) Ford, 13. No Campeonato Sul-Americano, a pontuação depois da etapa de Caruaru é esta: 1º) Mercedes-Benz, 109 pontos; 2º) Iveco, 40; 3º) MAN, 39; 4º) Volvo, 24; 5º) Scania, 23; 6º) Ford, 13.

Texto: Grelak Comunicação
Fotos: Orlei Silva


1590 dias ago by in Notícias | You can follow any responses to this entry through the RSS feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Leave A Response